Aurélio Aquino - verbos

Assim se invente a vida, coisa de não sofrer, jeito de ser querida

Textos

Poema à mulher da bunda grande
quando não és
enches a rua de incertezas
e nem meu peito acha
de te perder na consciência

és uma crise
alheia a vãos desejos
e a exata incompreensão
do que eu nem vejo

porque a lúdica simetria
de tua glútea paisagem
enseja a exata proporção
de todas as miragens

e nesse escândalo de carnes
que transitas na avenida
nada do que é intransitivo
cabe em tal medida

e o ritmo em que incendeias
todas as vias e todas as veias
constrange a compreensão
de que nem és sereia
Aurélio Aquino
Enviado por Aurélio Aquino em 16/02/2010
Alterado em 06/01/2011
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (por Aurélio Aquino). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras